skip to Main Content
Lucro Real E Presumido: Qual Devo Escolher?

Lucro real e presumido: qual devo escolher?

Decidir o regime de tributação mais adequado para a empresa é uma dificuldade frequente entre os empreendedores ao fazerem o planejamento tributário. No caso de empresas com receita bruta anual inferior a R$3,6 milhões, a opção mais adequada é o Simples Nacional. E é quando as companhias não se enquadram nesse caso que surge a dúvida: Lucro Real ou Presumido?

É imprescindível que se saiba as diferenças básicas entre um e outro para evitar os riscos de uma decisão equivocada. O ponto mais importante (e em comum) nos dois regimes é que envolvem diretamente o cálculo de:

  • IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica);
  • CSLL (Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido);
  • PIS (Programa Integração Social);
  • COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social).

A seguir, entenda melhor as diferenças, os prós e os contras de cada plano, e descubra qual se adapta melhor ao seu negócio!

Lucro Real

Nesse caso, a tributação é calculada em cima do lucro líquido do período de apuração, levando em conta o que a lei permitir referente a valores adicionais ou descontos. Logo, é necessário verificar o lucro líquido anual antes de afirmar o lucro real e, então, realizar a base de cálculos do IRPJ e CSLL. Caso a companhia apure prejuízos durante o ano, fica isenta do pagamento desses tributos.

Para algumas empresas, a tributação do lucro real pode ser obrigatória devido às atividades exercidas (como instituições financeiras, por exemplo) ou se a receita bruta anual da empresa resultar superior a R$ 48 milhões.

Lucro Presumido

No lucro presumido, a base de cálculo para o IRPJ e o CSLL é feita em cima de uma margem de lucro pré-estabelecida pela legislação, conforme os serviços que a empresa oferece. As margens pressupostas em atividades comerciais, por exemplo, são de 8%. Em prestações de serviço é 32%.

Logo, o cálculo do lucro efetivamente ganho é dispensado, a menos quando há casos distintos (ganho de capital, em aplicações financeiras e outros). Mesmo que a companhia obtenha uma margem de lucro maior que a pré-fixada, a tributação será em cima apenas do que foi estabelecido antes. Em contrapartida, se os lucros forem abaixo da margem, o tributo cobrado ainda será em cima da pré-fixada.

O risco de escolher o lucro presumido é que a empresa acabe pagando mais do que realmente deveria.

Cálculo PIS e COFINS

Qualquer um dos regimes, real ou presumido, influenciam diretamente no cálculo do PIS e COFINS. A diferença é que, dependo de qual for a escolha, essas colaborações serão cumulativas ou não-cumulativas. Entenda melhor:

  • Lucro Real: nesse caso, é adotado o regime não-cumulativo para o cálculo feito para o PIS e COFINS. Aqui, a alíquota total é de 9,25% em cima do lucro. Em relação ao valor apurado, a companhia pode descontar créditos apurados com base em alguns fatores: insumos adquiridos, consumo de energia elétrica e outros.
  • Lucro Presumido: o PIS e COFINS será calculado pelo regime cumulativo dessas contribuições. No caso, a alíquota total é de 3,65% em cima do ganho, sem diretos ao abatimento de créditos.

Esperamos que esse artigo tenha esclarecido sua dúvida. Entretanto, frisamos a importância de contar com auxílio de um especialista da área, que além de tirar outras dúvidas que podem surgir no processo, saberá analisar corretamente o melhor regime para sua empresa. Precisando de ajuda, conte com a Express Contabilidade!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top